O Casal e a Escrava

O anúncio nos classificados de um site de sadomasoquismo me chamou atenção e me deixou interessada. Ele dizia:

"Procura-se uma escrava, para servir a um casal. A escrava deve ter disponibilidade total e servir de maneira incondicional. Senhor e Senhora SM".

Assim que li entrei em contato pedindo uma oportunidade de conversarmos. Recebi resposta da Senhora e foi com Ela o meu contato, Conversamos muito através do msn e depois por telefone. Gostei Dela imediatamente...além de educada era firme em Seus propósitos..sabia bem o que queria e não aceitava menos.


Entre tudo que conversamos, Ela me disse que buscava encontrar uma escrava que estivesse disposta a se entregar a Eles incondicionalmente e a vencer limites. Queria uma escrava corajosa, inteligente e muito resignada.

Encantei-me com a forma Dela descrever como queria essa relação e sentia um tesão louco a cada palavra Dela. Depois de muita conversas exaustivas porque o casal era exigente e queriam estar certos de que acertariam na escolha, troca de fotos e telefones e até um encontro para um café num shopping, decidimos que eu seria a escrava deles e dali para a frente eu deveria me portar como tal. Recebi todas as instruções do que deveria levar e fazer. Eu iria morar com Eles por tempo indeterminado e talvez quem sabe para sempre.

Sabia que Eles eram extremamentes rigorosos e por isso segui à risca toda ordem e regra recebidas. Percebi a mudança na Senhora. Ela tornou-se autoritária, exigente e menos doce. Mas Ela havia me prevenido que agora eu seria apenas um objeto de prazer para Eles. E eu excitadissima e feliz corri ao encontro Deles. Cheguei pontualmente às 7 da manhã no apartamento Deles com poucas coisas pessoais minhas. Dali para frente tudo seria feito como Eles desejavam e usaria só o que me fosse permitido. Me mostrou o contrato e assim que eu li tudo e assinei me colocou a coleira com o nome Deles.

Assim que terminei de assinar feliz e com um sorriso nos lábios Ela me disse rudemente que eu tirasse a roupa e as colocasse na lata do lixo que estava na área de serviço. Disse isso sem nem me olhar. Senti um frio na barriga e um arrepio pelo corpo porque finalmente estava provando o sentimento de ser uma escrava de verdade. Assim que voltei, Ela quiz me inspecionar e começou a me examinar de todas as formas. Disse que minha depilação seria diferente...que eu não ficaria mais com aquele triângulo de pelos na buceta...que deveria estar toda depilada sempre e que cuidaria para que a depiladora tivesse um horário fixo para mim periodicamente. Não gostou de meus cabelos e disse que cuidaria para mudar a cor e cortá-los curtinhos para que não incomodassem. Me espantei por ter de cortar o cabelo...gosto deles compridos - mas não disse nada porque sabia que deveria obedecer. E eu queria muito mostrar o quanto tenho o desejo real de servi-Los.

A inspeção continuou. Ela examinou meus dentes, meus olhos, meus ouvidos. Fez uma inspeção mais minuciosa em meus seios, apertando-os intensamente me fazendo gemer baixinho. Apertou os bicos torcendo-os, apertando-os e espremendo-os. Apesar da dor meu tesão era grande. Percebi que a Senhora não estava brincando de ser Dominadora; Ela verdadeiramente sabia o que queria. Me fez abrir as pernas e sem aviso enfiou os dedos em minha buceta que a esta altura estava super molhada já. Não sei se Ela percebeu porque não disse nada, continuando sua exploração; beliscou os grandes lábios, o clitóris me deixando completamente louca de desejo. Me fez debruçar numa cadeira e explorou meu ânus com o dedo. Me assustei na hora porque nunca meu ânus foi penetrado. Mas Ela explorou levemente. Quando senti aquele dedo me explorando quase gozei.

Foi então que Ela terminou, ordenou que me levantasse, apontou o banheiro e me ordenou que tomasse um banho rápido e retornasse. Assim que retornei ela me deu algumas ordens:

De hoje em diante você será responsável pela limpeza do apartamento, vai cozinhar, lavar, passar, cuidar de nosso bem estar e se manter sempre bem e saudável para nos servir. Vai fazer isso sempre sorrindo e feliz. Não admitimos de forma nenhuma desobediência e má vontade. Não importa se está menstruada, com dor de cabeça ou outra coisa qualquer...Para nós nada disso tem importância...a rotina continua do mesmo jeito. Levará nosso café da manhã na cama, dormirá 6 horas por noite e o resto do tempo será de trabalho e afazeres. Vou elaborar sua dieta. Vai ficar privada de lazer, prazer, doces, carnes, massas. Passará por muitas provações e humilhações. Com o tempo vou te passando mais regras.

Agora quero que limpe tudo, lave a roupa e depois cuide do almoço. Seu Dono virá para o almoço para conhecê-la e preciso cuidar de você antes Dele chegar. Portanto execute as tarefas com esmero mas rapidamente. Lembre-se que se errar, será castigada com muita severidade...não perdoamos erros. Ainda tentando assimilar as palavras da Senhora, comecei a fazer meu serviço. Minha buceta latejava e meu tesão já me escorria pelas pernas, quando a ouvi chamar ordenando que eu levasse um copo de agua para Ela. Atendi-A prontamente e continuei meu trabalho. Assim que terminei a faxina e de lavar a roupa, fui para a cozinha preparar o almoço, tudo dentro das recomendações Dela.

Com o almoço adiantado me apresentei a Ela que me ordenou que tomasse outro banho e usasse todos os acessórios que estavam no banheiro. Me disse ainda que eu deveria fazer isso em 15 minutos e que depois fosse ao quarto do casal. Depois de tudo cumprido conforme determinação, pedi licença para entrar no quarto e assim que me foi permitido entrar vi uma enorme cama de casal com sedosos lençóis de cetim e uma decoração muito esmerada e que combinava perfeitamente com minha Dona. Ela então me disse em voz grave que eu jamais deveria olhar diretamente para Eles. Diante Deles deveria estar sempre olhando para baixo como sinal de respeito e submissão.

Apontou a cama e me disse que vestisse o que estava lá. Era um avental preto com peito de rendas, todo aberto atrás, fita para os cabelos, sandálias de saltos muito altos e uma nova coleira de couro preto com o nome do casal gravado em dourado. Essa roupa deixava minha bunda e meus seios totalmente expostos. Coloquei tudo rapidamente, a Senhora examinou para ver se estava tudo certo e me borrifou com algumas gotas de um perfume doce e suave. Ainda pintou meus lábios com um batom bem clarinho. Me fez rodar para ver como eu estava.

Quando tudo estava como Ela queria, fui à cozinha concluir o almoço e colocar a mesa. Cumpri tudo como Ela ordenou e estava muito feliz. Eu estava encantada e muito excitada com minha Senhora. Só restava agora conhecer o Senhor. Com os pensamentos voando, ouvi quando a porta da entrada se abriu e a Senhora cumprimentou o Senhor, com carinho. Conversaram um pouco e depois de um tempo de ansiedade a Senhora me chamou.

Com passos trêmulos e envergonhada pela quase nudez, obedeci e entrei na sala, não esquecendo de manter os olhos baixos para não desagradar o Senhor. Esperei pelo que Ele diria:

- De joelhos, beijando meus pés. É assim que será sempre que estiver em minha presença.

Imediatamente me ajoelhei e beijei seus pés com respeito e devoção. Já O sentia meu Dono também. Ordenou que me levantasse e me exibisse a Ele. Andei pela sala em círculos com o coração aos pulos, para que pudesse me ver inteira. Recebi então a ordem de tirar Seus sapatos e meias e lamber seus pés enquanto Ele e a Senhora conversavam. Fiz isso com muita dedicação; queria mostrar a Ele que a Senhora não se enganara ao me escolher como escrava Deles.

Sempre que minha lingua escorregava do pé, Ele brigava e dizia que eu seria castigada se não fizesse direito. Assim que a conversa terminou, a Senhora ordenou que eu fosse para a cozinha e esperasse por Eles. Assim que se acomodaram em Seus lugares eu Os servi com instruções da Senhora. Ao acabarem Suas refeições, A Senhora pegou uma tigela dessas de servir aos cães, pegou o resto de comida dos pratos Deles e colocou tudo na tigela. Levou a tigela ao chão num canto da parede e ordenou que eu comesse sem usar as mãos e sem sujar o chão. Minha bunda estava virada para o lado em que Eles se encontravam o que me envergonhou bastante. Comi um pouco e disse que não queria mais, quando de repente levei um sonoro tapa na bunda e ouvi o Senhor dizer:

- Você não tem querer cadela...tem que comer tudo que está aí e deixar a tigela limpinha. Eu sou seu Senhor e deve sempre seguir minhas ordens.

Pedi desculpas e comi o restante da comida. Depois recebi ordens para limpar a cozinha enquanto os dois descansavam. Assim que tudo estava limpo e organizado, me apresentei a Eles novamente quando o Dono mais uma vez disse seriamente:

- De quatro cadela. É assim que vai andar daqui pra frente...como uma cadela vadia. A Senhora então mandou que eu cuidasse dos pés do Dono com massagens e cremes esfoliantes e que os deixasse relaxados. E enquanto eu cuidava dos pés do Dono a Senhora enfiou uma bola em minha boca e me amordaçou dizendo que hoje não estavam mais afim de ouvir minha voz. Assim que os pés do Dono foram tratados, foi a vez da Senhora e quando terminei, Ela ordenou que eu fosse cuidar das tarefas da casa enquanto Eles descansavam um pouco já que o Senhor tinha tirado o resto do dia de folga e não voltaria ao trabalho.

Passaram-se algumas horas depois que terminei todas as tarefas,quando a Senhora me chamou dizendo que eu preparasse o banho Deles. Fui ao banheiro da suite e preparei a banheira com os sais que me foram dados, arrumei as toalhas na bancada da banheira, joguei pétalas de rosas na agua e fui ao quarto preparar a roupa Deles. Com o tempo eu conheceria cada detalhes Deles e seria mais fácil agradá-Los.

Com tudo pronto, me ajoelhei de cabeça baixa de frente para a banheira conforme ordens recebidas fiquei á disposição Deles. de cabeça baixa eu não via nada, mas podia perceber o tesão entre Eles e instantaneamente percebi meu tesão mais uma vez escorrendo pelas minhas pernas. Eu queria me tocar, gozar...mas sabia que não tinha permissão para isso. Mas aqueles sussurros e gemidos me excitavam muito.

Depois de saciados, a Senhora levantou-se da banheira veio até mim e sem aviso nenhum urinou sobre meu corpo. O impacto da urina quente e a sensação de poder que senti em minha Dona com essa atitude, me deixou em êxtase e tive de travar os dentes para não gozar. Com certeza a Senhora percebeu isso porque ordenou que eu me levantasse e me masturbasse para Eles. Claro que não poderia gozar de forma alguma e quase não consegui segurar o gozo, quando o Senhor veio até mim e enquanto eu me masturbava, beliscou meus seios com força torcendo-os. O grito abafado que saiu de minha boca, traduziu toda a minha dor e meu tesão.

Ordenaram que eu parasse porque iam me levar ao meu quarto. seria ali o meu canto...o lugar em que eu ficaria sempre que me fosse ordenado. Quando entramos, pude ver que o quarto não tinha janelas, nem luz direta. Era decorado com móveis escuros e mesas. Tudo era voltado para os castigos e sessões a que eu seria submetida. Cama ginecológica, mesa de mármore, correntes no teto e paredes, cavalete e até uma cela num canto mais escuro do quarto onde deduzi que seria ali que eu passaria minhas horas de sono. Do outro lado um vaso e uma pia. Não havia porta no vaso o que me fazia crer que teria usá-lo na frente de meus Senhores.

Depois de me certificar de tudo, fui tirada da minha incredulidade e colocada no cavalete com pés e mãos amarrados.bem abertos. Meus mamilos foram rigorosamente presos por prendendores que foram unidos um ao outro para que meus seios se aproximassem um do outro. A dor era insuportável, mas meus gritos abafados pela mordaça não os incomodava. Meu ânus foi lambusado com gel e penetrado por uma mangueirinha que estava presa numa bolsa em cima. Assim que a mangeurinha foi colocada, abriram o dispositivo e a agua morna invadiu meu corpo causando-me um desconforto muito grande. Não adiantava gemer pois estava amordaçada. Também não adiantava tentar me soltar porque estava muito bem amarrada. A água me invadindo me alucinava. O desconforto era grande e o constrangimento maior ainda quando percebi que Eles estavam fazendo um enema. A Senhora começou a fazer massagens circulares em minha barriga, o que me constrangia ainda mais. Não sei se era maior a dor ou a vergonha de estar ali sendo tão cruelmente humilhada.

Assim que a agua acabou a Senhora ainda me massageou por longos minutos e quando percebeu que eu estava no limite, me desamarrou e me indicou o vaso. Fiquei ali alguns minutos, me aliviando com o olhar divertido dos Donos. As lágrimas de vergonha corriam copiosamente pelo meu rosto. E Eles riam ainda mais. Assim que terminei, a Senhora me colocou embaixo do chuveiro e me lavou inteira. Fui colocada de bruços na mesa, amarrada e posicionada. Sentia a respiração do Dono aumentar e temi pelo que aconteceria. A Senhora tornou a besuntar meu ânus, depois o abriu e o Senhor enfiou Seu pau em mim de uma vez me causando uma dor tão intensa que pensei que estivesse sendo arrebentada. O Senhor estocava com força, abrindo meu ânus e o dilacerando. Depois do impacto da penetração, a dor foi aliviando e com o movimento do Senhor, comecei a sentir a mais deliciosa das sensações. A Senhora me lembrou que eu estava proibida de gozar e com um vibrador me masturbava enquanto o Senhor me estocava intensamente.. A dor, a vergonha, e o tesão se misturavam num sentimento só. Me senti possuida por Eles e que meu corpo e alma estavam entregues de forma incondicional aos dois.

Em pensamentos agradeci e nessa hora percebi que o Dono gozava intensamente e a Senhora que ao mesmo tempo que me masturbava, se masturbava, também gozou loucamente. O Dono saiu de mim e ao menor sinal lambi seu pau todinho deixando-o limpinho... fui desamarrada de novo. colocada numa cadeira e com ordem de esperar quieta. Estava suada, envergonhada, suja de gozo mas muito feliz em estar ali. Tinha sentido várias sensações até então desconhecidas para mim.

Envolta em meus pensamentos, ouvi a porta se abrir e entrar alguém no quarto. Uma pequena mesa com alguns acessórios foi colocada ao lado da cadeira em que eu estava. Logo percebi que meus cabelos estavam sendo cortados bem curtos. As lágrimas voltaram e ao ver os olhos prazerosos de meus Donos, senti que não tinha mais escolha. Que pertencia a Eles e que Os serviria com devoção e dedicação. Eu estava cansada e feliz. E ansiava pelo que aconteceria a cada novo dia. Mas meu adestramento estava só começando, ainda tinha muita coisa para acontecer.

por: karla { K@ }


  • Negrito
  • Itálico
  • Sublinhado
  • Stroke
  • Citação
  • Smileys
  • :confused:
  • :cool:
  • :cry:
  • :laugh:
  • :lol:
  • :normal:
  • :blush:
  • :rolleyes:
  • :sad:
  • :shocked:
  • :sick:
  • :sleeping:
  • :smile:
  • :surprised:
  • :tongue:
  • :unsure:
  • :whistle:
  • :wink:
 
  • 500 Caracteres restantes